segunda-feira, 15 de maio de 2017

VI Grande Prémio de Almargem do Bispo

Eu sei. Estou em falta no artigo da prova da semana passada. Mas essa prova foi especial porque estive dos dois lados da barricada: organizei e participei na prova. É preciso tempo para digerir tudo o que se passou naquele dia. Já neste GP de Almargem do Bispo, tudo foi mais fácil. Foi chegar, correr e vencer. Mas na verdade não foi assim tão fácil.

Embora eu esteja inscrito no Troféu Sintra a Correr desde o início do mesmo, esta foi a primeira prova em que participei. Como alguns de vocês sabem, durante muitos anos morei nesta zona e o circuito desta prova é praticamente o que eu fazia nos meus treinos diários. Mesmo já não sendo esta a minha morada atual, estava a correr em casa.

Acompanhado pelo Rui Martins, seguimos descontraídos para a prova. Equipar, fazer o aquecimento, momentos de palheta com as caras conhecidas destas andanças, e siga para a partida! Sentia-me bem mas não a 100%. Ainda não recuperei dos dias de férias que tive antes da estafeta do Vale Grande. Não treinar e não fechar a boca dá nisto eheheh.

A prova começou num excelente ritmo. Ainda melhor por perceber que ia ter companhia nos primeiros quilómetros. Durante três quilómetros foi assim, pelo sobe e desce típico da zona. Depois de chegarmos a Camarões e passar pelos meus pais que me apoiaram de forma efusiva, começou a verdadeira prova: a parte do sobe, sobe, sobe…
Fonte: Luís Duarte Clara
Nesta fase da prova, já só seguirmos na frente eu e o Edgar Jacinto. Psicologicamente estava bem, principalmente por ter companhia. Fisicamente parecia que a energia não estava a chegar aos quadricípedes, o que me estava a afetar o rendimento. Por volta dos 7 quilómetros consegui ganhar alguns metros e posicionar-me na frente da prova. Sabia que ainda faltava a pior parte da prova, umas boas centenas de metros com um declive bem positivo, e na minha cabeça pensei que era ai que a prova pudesse ser decidida a meu favor.

Que errado que eu estava. Quando vou na famosa subida começo a sentir o Edgar a aproximar-se rapidamente e de repente estava à minha frente. Tentei chegar-me ao pé dele e no final da subida já estávamos lado a lado e quando o passo ele diz-me “boa prova!” e eu sabendo que ia no limite depois daquela subida grito-lhe “anda lá cara***!”. Estava-me a saber bem aquele despique e não queria ele desistisse.
Fonte: Luís Duarte Clara
Começámos a descer para o último quilómetro, apanhamos uma dezena de metros novamente subir e depois sempre a descer até à meta. Sabia que tinha de descer como nunca o tinha feito, pois sou perito a perder lugares a descer. Abri a passada meti a minha cara de sofrimento e corri como se a minha vida dependesse disso.


Fonte: RUN 4 FFWPU
Vejo agora que cheguei a atingir um ritmo abaixo dos 2:40/km. Que bem que soube depois daquele esforço todo cortar a meta em 1º lugar da geral! Fiz os 9km da prova em 30m48s, praticamente menos 1 minuto que o ano anterior. Espero que seja um bom sinal para a reta final da época!

Fonte: Jaime Maurício
Fonte: RUN 4 FFWPU
Durante esta semana vou publicar o artigo sobre a boa manhã que decorreu no passado dia 7 de Maio, no Grande Prémio por Estafetas da Associação Vale Grande. Até lá!

Classificações: Brevemente

4 comentários:

  1. E vão duas vitórias consecutivas nessa prova! :)
    E nesse percurso, abaixo de 2.40?!? :)

    Muitos parabéns e venham mais! :)

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se nada me impedir, para o ano lá estarei outra vez :)

      Obrigado João!

      Um abraço

      Eliminar