quinta-feira, 3 de julho de 2014

Análise BES Run Challenge 2014

O BES Run Challenge foi um conceito que surgiu no ano de 2013. Provavelmente não sendo a primeira vez que surgiu uma espécie de circuito de provas para atletas de pelotão, foi sem dúvida a primeira vez que houve tanto mediatismo à volta de um conjunto de provas de 10km. 


Após uma primeira edição em que não houve grande coisa a apontar, a segunda edição tinha tudo para ser melhor. Com quatro provas, a gestão das provas era ainda maior e a possibilidade de falha também. Antes de analisar muito resumidamente as diferentes provas, de referir apenas o preço das inscrições. Na minha opinião, comprando o conjunto das quatro provas não fica muito caro, ficando cerca de 8€ por prova o que é bastante admissível principalmente face a certas provas que chegam a custar >15€ pela mesma distância.

Quanto às provas em si, não me parece que tenha existido nenhuma falha inadmissível. As falhas a que me refiro são as típicas falta de garrafas de água, erro na distância do percurso, ou mesmo erros na segurança da prova. Apenas tenho a apontar o horário de entrega de dorsais nos dias das provas. Se dizem que entregam os dorsais até às 15h (por exemplo na Costa da Caparica) e fazem alguém responsável ir para o local da prova três horas antes, não podem estar duas horas depois ainda a entregar dorsais. Atenção, não estou a dizer que deviam rejeitar entregar dorsais depois da prova, estou a dizer é que deviam aumentar o horário, por exemplo, até 30 minutos antes do início. Por fim, a questão da medalha final. O ano anterior foram bastante originais, fazendo três medalhas que se juntavam apenas em uma. Este ano, decidiram apostar em pinos (a sério?) e em uma medalha que era vá, gira. Tornem a inovar, só ganham com isso.


Individualmente tenho algumas coisas a apontar. A prova de Sintra ficou conhecida o ano passado por ser completamente irreal no seu percurso, mas este ano tornaram a apostar exatamente na mesma coisa. Se é bonita? Sim é sem dúvida. Se é um circuito para correr? Claro que não. Não faz sentido nenhum fazer uma prova de estrada a subir a serra de Sintra (já nem falando depois das descidas com uma inclinação brutal). Foram N pessoas com quem eu falei que não compraram o pacote das 4 provas apenas porque não queriam ir a Sintra. Acho que podiam tentar arranjar uma alternativa para a próxima edição.

Quanto à prova da Costa da Caparica, gostei bastante de a fazer, mas aqueles quilómetros em terra batida são completamente dispensáveis e se eu não sofri muito por ir mais na frente, o grande pelotão da corrida, pelo que ouvi, sofreu muito com o pó no ar e com o congestionamento nos carreiros de terra batida. Em relação a Cascais nada a apontar, apenas a estranha distância, mas pronto não é por ai que o “gato vai às filhoses”. Por fim, a corrida de Santo António, é na minha opinião a prova rainha deste circuito, pois realiza-se perto do início do Verão, havendo mais gente na capital o que se reflete em muita animação e apoio nas ruas de Lisboa.


Não deixo de aconselhar o BES Run Challenge a qualquer pessoa que faça corrida e não queira gastar um balúrdio por um bom conjunto de provas. Apenas gostava mesmo que tirassem da equação a prova de Sintra, pois tenho a certeza absoluta que iriam ganhar bastante mais adesão com esta mudança.

Os meus resultados no BES Run Challenge:
Classificação Final: 16º da geral (de 1242 classificados) e 6º do escalão (de 294 classificados)

4 comentários:

  1. Este ano infelizmente não participei no Bes Run, mas o ano passado... a prova que mais gostei foi sem duvida a de Sintra... e ao contrário de ti, conheço muita gente para quem o auge desta "competição", era mesmo esta prova. Sim é um percurso muito complicado para correr devido à inclinação... mas faz parte... tal como no GP Fim da Europa. :-) Acho que "aplanar" esta etapa ia estragar um pouco a magia :P

    Abraço e boas corridas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Respeito e percebo perfeitamente a opinião, Sintra é realmente bonita e espetacular, mas ouvi muitas opiniões de acordo com aquilo que eu disse. Mas claro acredito que haja quem goste! Aliás falei com pessoal de trail que para eles foi um simples treino esta prova pois eles enfrentam coisas bem mais duras.

      O GP da Europa quero ver se o faço para o ano :)

      Abraço e bons treinos!

      Eliminar
  2. Pessoalmente, o percurso que mais goste foi o de Sintra. Talvez por já ter feito o Grande Prémio Fim da Europa, fiquei apaixonado pelo percurso. Mas claro, para quem pretende bater recordes, não é o percurso mais indicado. Mas se para o ano, posso não ir às quatro, mas à de Sintra irei de certeza

    ResponderEliminar
  3. A questão, penso eu, é que o circuito tentou sempre ter algo de diferenciador.
    Sintra em 2013, a medalha tripartida e em 2014 a já conhecida Sintra e a Caparica ( e os imanes e a medalha mas ...bom, foi original).
    A questão é que para o atleta de pelotão talvez sejam aliciantes, já quem é mais eficiente e ande lá na frente, tanto uma como outra não sejam tão desejadas.
    Que fique claro que em 2013 não conhecia Sintra, acabei extasiado! Também ouvi queixas muito negativas, o acumulado ( isto é de Trail ou Bttt ou ciclismo, quiçá alpinismo, corrida...não!) e o final em paralelo.
    Nos 2 anos fiz aquela descida sempre a abrir, o ano passado com sapatilhas com 2 semanas ( eu sei...) e completamente molhado!
    Este ano a Caparica não correu muito bem, por causa do piso, falas da terra mas também temos o paredão com cascalho, mas também porque preparei mal a prova.
    Resumindo, 2015 me espera!
    Abraço
    PS: e Sintra tem sempre queijadas no fim;) nhamnham

    ResponderEliminar