terça-feira, 31 de outubro de 2017

20 Kms de Almeirim

Já lá vão alguns anos desde que comecei a correr. Já fiz muitas provas, tenho conhecido muitos sítios novos. Mas na minha lista constava uma prova que andava a ser adiada ano após ano: os 20 Kms de Almeirim.

Antes de tudo tenho de falar sobre os meus últimos dias. Fui para Espanha para uma conferência na quarta-feira. Treinei quinta e sábado. Entre quarta e sábado dormir foi mentira: muito menos do que 15 horas (o normal seria dormir umas 24 horas). No sábado fiz uma viagem de 6/7 horas para Lisboa, sentado e não muito confortável. Nem eu me apercebi o que isto fez ao meu corpo.

No domingo bem cedo reuni-me com a minha equipa e familiares para seguirmos para Almeirim no autocarro do Vale Grande. Chegámos ainda antes das nove e em ritmo apressado lá fomos buscar os dorsais (a organização dos dorsais era um bocado atabalhoada...). Equipar, casa de banho, aquecer, hora da partida!

Até à hora da partida estive numa autêntica sardinha em lata. Nem me conseguia dobrar para alongar os músculos. Mas foi assim, com a minha claque pessoal a dar-me força, que foi dado o sinal de partida. O meu colega de equipa André Costa rapidamente tomou a frente da prova. Atrás dele seguia um bom grupo de atletas e logo a seguir seguia eu e mais alguns atletas dispersos.

Demos algumas voltas pelas rua de Almeirim, com muita gente na rua a dar força e aplaudir. Isto foi uma constante pela prova toda (menos quando saímos da cidade). Espetáculo! Nestes primeiros quilómetros seguia a um bom ritmo, na zona que eu apontava fazer para esta prova (média de 3:30/km). E aqui começa o meu primeiro erro. Eu sabia bem que não tenho treinado para provas longas e era uma incógnita os ritmos que eu podia aguentar durante 20kms. Os primeiros 5kms foram feitos em 17m15s, o que dá abaixo da média pensada.

Fonte: Luis Duarte Clara
Ao 6ª km passei pela minha claque (namorada, sogra e pais) e foi uma festa! Mas fiz questão de lhes indicar que não estava bem. Eles próprios me disseram no final que via-se na minha cara que estava cansado. A partir daqui comecei a perder ritmo. E isso ia-se manter até ao resto da prova.

Uma coisa que adorei foi ver tanta gente nas ruas. E para variar adorei aquelas que gritavam por nós e usavam o argumento que a sopa da pedra estava à nossa espera ehehe. Mas se dentro da cidade isso serviu para me dar força, quando saímos da cidade nada me conseguiu ajudar. Os quilómetros passavam e o ritmo e a minha força diminuía. 2º split de 5kms, 18m05s. Quase 1 minuto de diferença para o 1º split. E ia piorar.

Gostei muito de atravessar a Ponte D. Luis I! Mesmo estando em quebra, forcei-me a apreciar a paisagem. Por esta altura ultrapassei um atleta (foram poucos os que ultrapassei e de pouco valeu... mas lá iremos...) e tentei que isso servisse de alento. A seguir à ponte foi feito o retorno e tínhamos pela frente algum tempo com um declive ligeiramente negativo. Ainda pensei que pudesse recuperar o alento mas não era o meu dia.

E se não fui mais abaixo foi pelas palavras de incentivo que ia recebendo e retribuindo. Um dos incentivos veio do grande Filipe Torres, que me deu um valente força e eu fiquei calado a ver quem era e só depois o reconheci. No final da prova, finalmente tive o gosto de falar com ele!

Fonte: Running & Medals
Terceiro split de 5km, 18m41s. Cada vez pior. Encontrei o Joel do Benaventense parado numa berma e tendo em conta que ele ia em 2º da geral antes do meu retorno, percebi algo se tinha passado. Disse-lhe para vir comigo e fiquei contente ao sentir a passada dele nas minhas costas. Seguimos juntos durante algum tempo, o que até foi bom para recuperar o ânimo de ambos.

Quando estávamos a entrar outra vez na cidade foi o descalabro. O Joel ficou para trás e lentamente os atletas que eu tinha ultrapassado, foram-me passando. Ai fui-me realmente abaixo psicologicamente. Continuei no mesmo ritmo mas não estava à espera daquilo. Entrei no último quilómetro e percebi que mesmo assim poderia ser possível apanhar o atleta que seguia à minha frente e que ia claramente em quebra. Puxei das forças que ainda me restavam e corri.

Passei a meta, a minha família e a minha namorada estavam à minha espera e fizeram uma festa. Eu estava completamente frustrado, ainda mandei um pontapé a uma baia feito parvo e afastei-me com a minha mais que tudo e deitei-me no chão. Nunca tinha feito tal coisa tal era o meu cansaço.
Fiquei em 10º da geral e 5º do escalão sénior. O tempo (miserável) oficial foi de 01h13m19s. Só de pensar que tenho um tempo à meia maratona mais pequeno até me dá volta à barriga.

Passado dois dias, já tive muito tempo para refletir. Sei que o meu corpo estava completamente destruído. Não tinha descanso, não estava bem hidratado e até tenho falta de competição nas pernas (desde Maio que não fazia uma prova à séria). Foi uma grande aprendizagem. Não interessa que os treinos estejam a ser fantásticos. Se tudo o resto falhar, o nosso corpo também vai falhar.

Sobre a prova em si: fantástica! Muito bem organizada (acho que a entrega dos dorsais poderia ter sido melhor), público fantástico, bom percurso e excelente almoço. A repetir! No final até tive uma surpresa: pediram-me para tirar uma fotografia porque eram fãs do meu blog. Até fiquei sem palavras!

Por último, parabéns à minha equipa, muitos prémios individuais e um fantástico 2º prémio coletivo! Que belo início de época!



Resultados: 20 Kms de Almeirim

4 comentários:

  1. Vitor, percebo a frustração, mas como disseste serviu para aprender! A vida é uma constante aprendizagem, e só temos a aprender com eles. É isso que nos faz mais fortes.
    De qualquer forma parabéns pelo honroso 10º lugar, e parabéns à Associação Vale Grande por todos os troféus conquistados. A continuar assim vão ter de arranjar umas estantes maiores ;)
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Pois... o descanso é fundamental e se ainda conseguirias disfarçar a sua falta numa corrida mais curta, assim é difícil. Mas contando com isso, acabaste por fazer um lugar muito honroso!
    Um abraço e boa recuperação

    ResponderEliminar
  3. Há dias assim ... sei bem do que as viagens fazem ao corpo. Passo por isso muitas vezes ... às vezes um dia inteiro "sem fazer nada", enfiado em aeroportos, aviões, carros, lugares apertados ... pois é, ninguém imagina ... viajar é fixe, uma sorte ;) ... e depois há dias e dias e este foi um dia menos bom. Não leves a coisa tão a peito ... podia ser bem pior, lesões ou algo do género. Melhores dias virão e 10º na geral numa prova destas é bem bom. Parabéns por isso e siga a camioneta :)
    Grande Abraço

    ResponderEliminar
  4. Acho que se acrescentasses um quarto a isso estavas a descrever a minha prova.. No entanto, ainda bem que gostaste de Almeirim! Tenho pena de não ter sido nas melhores condições, mas hás-de voltar como deve ser. Agora siga o treino!

    ResponderEliminar