sábado, 3 de fevereiro de 2018

A privacidade e o sensacionalismo jornalístico

No meio de milhares noticias que na última semana se tornam virais por essa Internet fora, houve uma que saltou aos olhos da comunidade da corrida. O Strava lançou uma atualização ao seu Global Heatmap que basicamente é um agregado de milhões de atividades que os atletas fizeram upload para a plataforma e que forma um mapa global de todos os locais, caminhos, estradas, etc, que alguém já percorreu numa atividade e fez upload para o Strava.

Disclaimer: para quem não sabe a minha área é informática. Um dos meus fascínios por esta iniciativa prende-se com o facto de na minha tese de mestrado ter sido sobre o estudo dos movimentos humanos com base nas suas movimentações diárias. 

Heatmap de Portugal
Na minha opinião, este projeto é qualquer coisa de fantástico. Utiliza dados que os utilizadores do Strava tornaram públicos deliberadamente e permite observar as regiões mais ativa do planeta, país, cidade ou até se nosso bairro anda alguém a correr, a andar de bicicleta, a caminhar ou outro qualquer tipo de atividade.

Então e qual é o problema disto? Na minha opinião, nenhum. Cada um é responsável por aquilo que faz e ao tornar pública informação por onde se desloca, quer seja no Strava, Garmin Connect, Nike+ Run Club, serviços da Google no nosso telemóvel ou outra qualquer aplicação de tracking, sabe que a informação pode ser utilizada para um sem número de fins, lícitos ou ilícitos.

Heatmap de Lisboa
A polémica instalou-se devido a uns quantos soldados norte-americanos que expuseram as suas bases no Afeganistão (isto até me faz lembrar aquela história do espião português que fazia posts com a sua localização no Facebook). As aplicações têm claramente os seus objetivos definidos, têm definições de privacidade que nunca mais acabam (no caso do Strava até são bastante claras e objetivas, na minha opinião) e a culpa não é dos utilizadores?

Nos dias que se seguiram a esta descoberta ter sido tornada pública, houve pessoas que se dedicaram a explorar o tipo de informação que se podia ver no tracking de uma atividade dos utilizadores. Então se uma pessoa faz um treino, faz upload para a plataforma, a seguir o que é que as pessoas esperavam que se visse na plataforma? Um quadro preto em vez do mapa com o percurso feito no treino?

Heatmap do Porto
Se querem proteger os vossos dados nestas plataformas, explorem as definições, principalmente as de privacidade. Neste momento as regras de privacidade já são tão rígidas que provavelmente encontram lá o que pretendem. No caso do Strava, sabiam que é possível pôr uma atividade privada? Sabiam que podem criar uma zona privada (uma espécie de caixa preta) para nunca aparecer nos vossos treinos quando as pessoas vêm? Por exemplo, ter a zona da vossa casa como privada, escolher um raio grande e mesmo que quando saem da porta da vossa casa liguem logo o relógio/telemóvel e comecem a treinar, o tracking do treino só vai aparecer bastante depois aos olhos dos outros utilizadores (apenas quando saem do circulo definido).

Se isto é uma preocupação para vocês (e acho muito bem que o seja), podem ler este artigo sobre as opções de privacidade do Strava (em Português): https://blog.strava.com/pt/privacy-14288/

Heatmap de Odivelas
Concluindo, tenho que reforçar a ideia que não sou contra a privacidade. Aliás sou bastante a favor e tipicamente controlo ao pormenor as definições de privacidade das minhas redes sociais e outras aplicações que utilizo. Agora quando criticam uma plataforma e vejo tão mau jornalismo apenas em prol de notícias sensacionalistas... simplesmente irrita-me.

Corram e divirtam-se a fazê-lo Apenas tenham cuidado com aquilo que partilham.

PS: Mais uma notícia engraçada: Mapa do Strava revela actividade perto de navio naufragado com 1.5T de bombas

Fontes: 

9 comentários:

  1. Isto dava tema de conversa que nunca mais acabava...
    A opção do strava em ocultar a zona da nossa casa sempre me fez confusão porque dessa forma estamos claramente a indicar onde moramos. O GPS até pode indicar onde começamos e terminamos o treino, e mesmo que seja onde moramos que mal tem? No meio de prédios saber qual é exatamente a porta e andar será muito complicado e mesmo que soubessem o que iria adiantar? O ladrão está no Strava à espera de me ver sair para treinar? Os uploads nao são in loco. Juro que nao percebo.
    Mas atenção concordo com o que dizes, todos devemos ter consciência do que colocamos on-line.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim era tema para uma conversa bastante longa!

      Sobre a opção do Strava ocultar uma zona, dá para escolher o raio logo torna-se complicado saber qual é a casa. Tens razão quando falas em prédios mas por exemplo onde eu morava, era uma zona de vivendas com bastante espaço entre elas, logo era fácil saber onde morada se começasse/acabasse o treino à porta de casa!

      Abraço

      Eliminar
  2. A "caixa negra" privada num treino do Strava tem um raio de salvo erro, 300 metros.

    Dependendo de onde se mora, é "muita casa".

    Mas podemos sempre, e eu faço-o, o treino privado.

    Lá está, não ganho Kudos, não posto os treinos no facebook, etc.

    De resto, Vitor, concordo em tudo o escrito.

    Faz-me lembrar uma colega há uns tempos muito espantada por ter recebido um daqueles mais da Google com uma série de locais.

    Não percebia como era possível, perguntei-lhe onde se tinha logado no blogue...et voilá.

    As letrinhas pequenenas são chatas e nem eu as leio todas, mas algumas são vem visiveis para quem se dá ao trabalho.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois a questão dos serviços da Google consegue ser assustadora... ainda ontem para descobrir o nome de uma clinica a que fui em 2013 fui ver o meu timeline de desse mês/ano no Google Maps... Eu estou consciente da exploração que aquilo é mais sei que está ativo. Quantas pessoas sabem realmente que aquilo funciona assim?

      Abraço

      Eliminar
  3. Tive o Strava Premium à experiência durante um mês, quase que vale a pena pagar só para ver o nosso heatmap!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto bastante do Strava Premium, sempre que me oferecem um mês aceito. Mas pronto estar a pagar só por causa de ver mais uns dados dos treinos que dá para ver no Garmin Connect, não obrigado!

      Eliminar
  4. Excelente texto!
    Em relação ao Strava, eu nem sequer começo nem acabo os treinos à porta de casa e aposto que isso acontece com muitas outras pessoas.
    Já vi também casos de zonas escondidas no Google Maps precisamente por questões de segurança (bases militares e etc). Algumas destas zonas passariam completamente despercebidas e só começaram a levantar dúvidas e questões precisamente por terem sido "blurred" sem motivo aparente.
    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu por norma também nem começo nem acabo os treinos à porta de casa mas por vezes acabo à porta o treino por estar com pressa...

      Abraço

      Eliminar