segunda-feira, 22 de abril de 2019

31º Grande Prémio da Páscoa de Constância

Tudo na nossa vida tem consequências. O problema é que quando fazemos coisas erradas mais tarde ou mais cedo isso vai-nos atingir com toda a força. Dias e dias seguidos com poucas horas de sono, stress acumulado, má alimentação, má hidratação, são tudo coisas que são proibidas quando queremos manter um nível físico que nos pode permitir alcançar outro tipo de vôos. Era previsível que em Constância iria voar baixinho.

Bastou menos de uma hora para me apaixonar por Constância. Não conhecia de todo a vila e durante o aquecimento dei umas quantas voltas à beira do Rio Tejo e do Rio Zêzere e gostei mesmo muito de toda aquela paisagem. Como cheguei cedo, deu para fazer um bom aquecimento mas isso não evitou que quando chegasse à zona de partida, não ficasse envolto no maranhal de atletas, e com isso, ligeiramente longe da linha de partida. Continua a ser triste olhar para os lados e perceber que continua a haver muita gente que não percebe que põe em perigo a si e aos outros ao querer partir ao lado de atletas bem mais rápidos. Mas se calhar sou eu que tenho mau feitio.

Não costumo estar nervoso antes de uma prova e se esse nervosismo se manifesta é apenas naquela contagem decrescente antes do tiro de partida. Porém, no sábado o coração estava a bater bem forte nos minutos antes da partida. Talvez por saber que não tinha condições físicas para estar ali. Mas quando deram o tiro de partida, segui para a frente.

Já nem me lembrava do que era andar aos zigzags no início de uma prova. Ainda por cima quando as primeiras centenas de metros começam a subir. Mas tenho de ser honesto: aos 500 metros da prova parecia que já tinha levado uma sova. Não me estava a sentir minimamente bem. O interessante é que seguia na cauda do grupo da frente que tinha à vontade cerca de 15 atletas, e estes seguiam a um ritmo anormalmente baixo. Sinceramente, como não conhecia o traçado da prova, até fiquei com receio do que estava para vir.

Fonte: Zé Paulo Marques
O ritmo no 2º km aumentou ligeiramente para depois tornar a estagnar durante os 3 seguintes. Passei alguns atletas e consegui juntar-me ao João Saldanha e à Emília Pisoeiro, primeira feminina, que claramente seguia a um ritmo para tentar o recorde da prova. Segui com eles durante muitos quilómetros e sinceramente se não fossem eles não sei se me tinha aguentado. Agora vejo que a prova era praticamente plana mas a verdade é que sempre me deu a sensação que parecia que ia a subir.

Na viragem as coisas começaram a mudar. Começámos a apanhar atletas que seguiam à nossa frente e o meu corpo começou a entusiasmar-se. Foi a partir do km 7 que a minha prova começou, apesar de por esta altura já seguir ligeiramente atrás do João e da Emília. Comecei a sentir-me bem, as minhas passadas tinham força e pus na cabeça que iria dar tudo o que tinha até final.

Tenho sido honesto com vocês ao logo deste artigo e vou continuar a sê-lo. Há dois meses atrás, o objetivo era tentar o recorde pessoal nesta prova, independente de conhecer ou não o traçado. Nas últimas duas semanas apercebi-me que isso iria ser impossível. Apesar dos treinos terem uma média bonita e as séries até não correrem mal, podem ver pelo registo do batimento cardíaco que algo está longe de estar bem. Há data que escrevo este post, já me sinto bem melhor, repus algum do sono em falta e o stress acumulado começa a dissipar-se. Mas os dias que antecederam a prova foram caóticos...

Com tanta divagação já me esquecia! Fiquei em 5º da geral e 3º do escalão, com 34m30s. Os meus adversários foram melhores e por isso nada a dizer! Mas só de pensar que há uns meses conseguia facilmente o 2º lugar... Vou voltar a partir tudo esta época, isso terá de acontecer!




4 comentários:

  1. "Bastou menos de uma hora para me apaixonar por Constância"
    É... Constância é assim :)

    Quando nos cruzámos, ainda ias em 8º. Conseguiste depois ganhar 3 lugares.

    Muitos parabéns pela prova. Tu no máximo da tua força, farás um tempo brutal neste lindo percurso.

    Grande abraço

    ps - É pena que muitos não conheçam o ditado "cada macaco no seu galho" e continuem a colocar os outros e a si em perigo pela panca de partirem à frente...

    ResponderEliminar
  2. E como este ano o tempo esteve bom, ou seja, sem chuva, é muito bonito passear nas ruas e ver o trabalho todo que as gentes têm para decorar as mesmas.

    O percurso é bastante plano, não sei onde é a partida mas se for na praça apenas a partida e chagada têm aquela rampa.

    O teu RP lá ficará para outras núpcias, é só dormires um pouco mais :)

    É triste ver que mesmo nas provas mais pequenas as pessoas não tem a noção do que fazer mas não vejo melhorias, infelizmente.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Há mais marés que marinheiros … como bem dizes, não há milagres ...parabéns por esta e venha a próxima.
    Abraço

    ResponderEliminar