31ª São Silvestre dos Olivais

Existem dias que o nosso corpo nos surpreende. No domingo foi um desses dias.

Fui passar o Natal a Trás-dos-Montes. Trouxe de lá uma excelente prenda: uma bela de uma constipação. Começou por me dar apenas alguma dor de garganta e expectoração, mas rapidamente me começou a dar algumas dificuldades em respirar e falar, e algumas dores no corpo. Mesmo assim não falhei nenhum treino do plano. Apenas não treinei no dia 25 como era suposto e automaticamente não fiz o dia descanso no sábado. Sabia que não era grave esta mudança, pois os treinos têm estado com uma quilometragem algo baixa (comparando esta altura com o ano passado... ai que os treinos para a maratona estão quase a recomeçar...).

No domingo de manhã até a Johanna me disse que estava com uma cara horrível. Bem, sendo a prova à noite ninguém havia de reparar. Honestamente não estava mesmo com vontade nenhuma de fazer a prova. Fora os sintomas normais da constipação, sentia o corpo moído e doía-me ligeiramente a cabeça. Mas se me tinha aguentado bem nos treinos nos dias anteriores, não ia falhar à minha equipa. Fosse para o que fosse, eu ia lá estar.

Nunca tinha participado na São Silvestre dos Olivais. Sempre ouvi falar maravilhas das suas subidas, tendo ouvido algumas pessoas a dizer que ainda era mais complicada que a Amadora. Honestamente, depois de a fazer, acho que têm razão.

Fui com o carro cheio, juntamente com o meu amigo Rui Martins. Novamente, fiz um aquecimento a custo e sentia as pernas bastante presas. Aqueci quase até ao limite do tempo possível e depois lá me enfiei na partida e pedi para me irem deixando passar até mais perto da linha de partida. A prova começou rápida, com muita gente bem mais rápida do que eu a ir para a frente. As primeiras centenas de metros custaram-me imenso mas pensei "que se lixe, enquanto tiver força vou dar o que tenho".

Com alguma dificuldade em respirar como deve ser, lá fui dando o que podia pelas primeiras subidas da prova. A pouco e pouco comecei a sentir-me mais solto e cerca dos 2km chegou uma boa descida. Já tinha ultrapassado bastantes atletas, mas ainda via tanta gente à minha frente que aproveitei esse estímulo à minha cabeça. Ignorei as consequências físicas da descida que enfrentava (se acham que as subidas são complicadas, experimentem descer a "matar") e acabei a descida com uma média de 3:07/km. E o mais incrível é que apesar da respiração ainda mais deficiente que o habitual, estava mesmo progressivamente a sentir-me mais solto.

A loucura desta prova ainda estava no início. Continuei num sobe e desde durante 1km e depois embarquei em mais 1km sempre a descer até aos 5kms, momento em que apanhei um grupo que iria definir o meu andamento até final da prova. E o que ainda faltava da prova. Que sofrimento.

Subimos durante mais 1km, para tornar a estabilizar num sobre e desce constante. Mas o pior foi dos 7 e picos até aos 8kms. Foi ai que a minha dificuldade em respirar me fez ceder. Tenho pena dos atletas que seguiam comigo, pois bem berros mandei para o ar. O Ricardo Abreu do Pedro Pessoa que o diga. Por esta altura já tinha cedido alguns lugares ao grupo com o qual seguia. Mas não desisti.

Entrámos no 9º km e por esta altura tinha no campo de visão dois atletas. Este último quilómetro é famoso por ser sempre a descer, ótimo para velocidades loucas, coisa que eu não tenho. Mas como estava motivado com a hipótese remota de recuperar lugares perdidos, dei tudo o que podia. Rapidamente recuperei um lugar e neste momento já só tinha a hipótese de me aproximar do já referido Ricardo Abreu. Começámos a aproximar-nos da meta e penso "é agora ou nunca". Percebo que o consigo apanhar, puxo que nem um louco, e consigo passa-lo. Mas ainda faltavam cerca de 150m. Para terem noção, dos 9 as 10kms fiz uma média de 2:55/km, mas nos últimos 140m de prova desci para os 2:34/km... parecia que estava a voar!

Fonte: Junta de Freguesia dos Olivais
Ia tão rápido que até a foto ficou desfocada ehehe
E voei para o 10º lugar da geral e do escalão, contra todas as melhores expectativas que tinha para esta prova nos dias que a antecederam. Terminei com 33m49s, para uma média de 3:20/km, 1 segundo melhor que a São Silvestre do Sado. Que excelente maneira de acabar o ano! E agora é apontar para o Campeonato Nacional de Estrada, que no mínimo gostava de fazer um tempo semelhante. Veremos!

Boas entradas a todos! Que 2020 seja mais e melhor!

Resultados: 31ª São Silvestre dos Olivais

31ª São Silvestre dos Olivais
dezembro 30, 2019
4

Comentários

  1. Muitos parabéns! Com esse problema e esse percurso...
    Será que eu li bem? Andaste a 2.34?!?!? Voaste!
    Um abraço e um excelente 2020 para ti e todos os teus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ehehe sim leste bem! Um grande abraço João e um grande 2020!

      Eliminar
  2. Parece que tens de correr mais vezes doente :p
    Excelente prova. Parabéns!
    Um bom ano para ti cheio de conquistas. Um abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Search

Popular Posts

Análise Domyos T900C

Finalmente, o prometido já há algumas semanas! Fiquem com a minha análise à p…

Zurich Maratón de Sevilla 2019

Há momentos na vida em que temos de decidir aquilo que nos define. Eu felizment…

Corrida da Árvore 2015

Sabem uma coisa? Já andava ressacado com falta de provas. Apesar de ter ido aos…

2020.

Acho que estas últimas semanas conseguem refletir bem o que 2020 está a ser. Es…

MultiSport Weekend Coimbra 2021

Não sei começar este artigo. A última vez que escrevi sobre uma prova foi em 16…

Contact Me