Análise AfterShokz Air

Este blog além das minhas aventuras no mundo de corrida, já há muito tempo que começou a ser um sítio onde partilho um pouco da minha vida mesmo que por vezes não o faça em muito pormenor. Mas existe algo que já partilhei aqui algumas vezes: tenho uma paixão enorme por tecnologia. Acompanho, leio e por vezes até investigo muitas áreas da área da tecnologia que nos rodeia no dia a dia. E isso faz com que uma das poucas coisas que sou um consumidor a sério, é de tecnologia.

Isto levou há uns quantos meses a adquirir um Garmin Forerunner 945. O meu antigo 630 já me estava a fazer "comichão" embora estivesse em plenas condições (espero que o novo dono esteja bastante contente com ele). Com o 945 ganhei a hipótese de poder ouvir música e podcasts enquanto treino através de Bluetooth e da integração com o Spotify. Dado isto, o meu lado louco por tecnologia começou logo a perceber o que seria a melhor hipótese de uns earphones para treinar.


Existe algo importante a referir: para mim a segurança está em primeiro lugar. Portanto algo que me isolasse do mundo estava à partida logo fora de questão. Cheguei a treinar algumas semanas com um par de earphones meio "rascos" que não me fechavam completamente os ouvidos. Mas estavam sempre a cair, eram desconfortáveis e davam mais trabalho do que algo assim deve dar durante um treino.


Foi assim que cheguei à AfterShokz e em concreto ao modelo Air. Esta marca tem como especialidade fabricar earphones direcionados para desporto. Mas com uma característica muito especial: funciona por condução óssea. Sem entrar em muitos pormenores técnicos, basicamente o som é passado através de mini vibrações através dos ossos. Isto faz com que enquanto estou a treinar esteja sempre completamente consciente de tudo aquilo que nos rodeia (principalmente os nossos amigos automobilistas). Podem ver como funciona aqui.


Para algum audiófilo que esteja a ler este artigo posso já avançar: sim o som não é soberbo. Isso era expectável. Mas a qualidade de som é bastante aceitável mesmo. Superior a muita coisa que se vende por preços superiores. Tipicamente durante os treinos eu nem oiço música (prefiro podcasts), mas por vezes oiço e fico sempre bastante agradado com o nível de experiência sonora que tenho. Isto sempre tendo em consideração que continuamos a ouvir tudo o que nos rodeia.

A nível de conforto não tenho razão nenhuma de queixa. Apesar ter um tamanho único, adapta-se completamente à nossa cabeça, tendo como suporte as orelhas. Já corri por diversas vezes com gorro e até com óculos, e não em incomoda nada. Como vocês sabem eu não corro propriamente devagar e nunca tive que os ajeitar, ou sequer me fizeram confusão. A nível estética, eu pessoalmente gosto e não ficam a dever nada a quaisquer earphones desportivos que estão no mercado.


Como podem ver nas fotos em cima em baixo, possuí controlos de volume (que também serve para emparelhar como relógio, telemóvel, ou o que quiserem que tenha conectividade Bluetooth). Possui também um botão grande e com mais acessibilidade para poder parar, passar à próxima música (ou anterior), atender chamadas se tiver conectado com um telemóvel, etc. A nível de bateria podem esperar 6 horas de uso contínuo, o que é um valor bastante aceitável. Pena é terem carregamento por uma tecnologia ultrapassada como micro-USB ao invés de USB Tipo C.


O preço pode ser um pouco puxado para aquilo que algumas pessoas estão habituadas a dar por um par de earphones. Custaram cerca de 60 euros na Black Friday, o que ajudou à decisão de os comprar face ao preço original. Se preferirem algo mais barato têm o modelo Titanium, ou se preferirem algo com outro nível de som têm um modelo superior (e à prova de água), os Xtrainerz.

Os relógios com Bluetooth e que têm funcionalidades para ouvir música (sem ter que trazer o telemóvel atrás), estão a tornar-se cada vez mais banais, o que faz com que tenham de comprar algo que vos dê segurança nos ouvidos. E estes Aftershokz são os companheiros perfeitos para quem quer companhia para treinar. Valem cada euro gasto se forem usados para aquilo que foram desenhados.

Aspetos positivos
+ Conforto
+ Inovação
+ Bateria
+ Aspeto

Aspetos "assim-assim"
+- Qualidade de som (são bastante bons, mas claro quem quer qualidade sonora, esta não é a solução)
+- Apenas à prova de suor (IP55)
+- Preço (quando adquiridos pelo valor normal)

Aspetos negativos
- Carregamento por micro-USB

Além de uma capa protetora, trazem ainda uns tampões caso queiram mais isolamento!

AfterShokz
fevereiro 9, 2020
4

Comentários

  1. Boa dica! Vou tomar nota, para oferecer lá em casa, a quem ainda este fim-de-semana me roubou os meus phones para ir correr... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que fazes bem, são mesmo excelentes para o que nós fazemos :)

      Eliminar
  2. Obrigada pela partilha... eu ainda corro com modelo pre histórico que envolve fios... mas como nao passo sem a minha musica para treinar é uma opção a ter em conta...vai para lista aniversário! Obrigada pela partilha

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Search

Popular Posts

Adeus Strava?

Existe algo que está a borbulhar na minha cabeça já há algum tempo. Existe um c…

Análise Domyos T900C

Finalmente, o prometido já há algumas semanas! Fiquem com a minha análise à p…

Análise Saucony Kinvara 10

Tenho passado por várias fases no que se relaciona com marcas de ténis. Quando …

O fim de um ciclo

Fonte:  RUN 4 FFWPU Esta foi a última meta que eu passei com a camisola da …

40º Grande Prémio das Galinheiras

Apesar de por esta altura já toda a gente saber o que se passou nesta prova, nã…

Contact Me