8ª Corrida de Belém 2022


E de repente faltam duas semanas para um dos meus objetivos da época. Oi? Calma, primeiro temos de falar sobre a Corrida de Belém. Acho que já dá para perceber que quero ultrapassar esta prova o mais rápido possível, e avançar para a próxima semana de treinos. Mas na verdade não foi assim tão má como parece que a estou a pintar.

Não sei o que se passa comigo esta época, mas parece que me ando a habituar a chegar em cima da hora às provas. Vá, quando digo chegar em cima da hora, estou a dizer 45 minutos antes. O que pode dar barraca se tivermos azar e felizmente não houve nenhum. A partida era dentro do Estádio do Restelo, e a nossa equipa teve o luxo de poder deixar as coisas na secção de atletismo e pude estar completamente descontraído para ir aquecer antes da prova. Isto se não começasse a chover de forma nada meiga na hora de começar a aquecer. Foi encher de coragem, e ir para a rua aquecer apenas 10 minutos. Meio à pressa, meio a fugir da chuva.

Depois do aquecimento, já estava completamente encharcado, por isso o resto foi #YOLO (cenas de putos, You Only Live Once, ou seja, só vivemos uma vez). Fazer umas rectas no lag...pista e seguir para o aglomerado que já estava na linha de partida. Tiro de partida dado e o festival de natação começou! Foram 400 metros na pista antes de sairmos para a estrada. Kudos para o João Carlos Gomes, que deu-nos uma tareia a todos na pista, só para vermos quem manda ali, e depois seguiu o resto da prova a rolar.

Já fora do estádio, sentia-me bem e solto juntamente com o grupo da frente, embora tivesse perfeitamente noção que estava com atletas de outra liga, tais como Roberto Ladeiras, Bruno Lourenço, ou até o Isaías Gomes que é meu colega de equipa. Mas mal sabia o que me esperava. Ou no fundo, sempre soube. Aos 1200m de prova entrámos na famosa descida da Avenida da Torre de Belém, e lentamente o grupo  começou a distanciar-se de mim. Ou eu deles. Mesmo seguindo abaixo de 3:13/km, o grupo conseguiu descer mais rápido. E aqui começa o fim da história desta prova.

De pressa percebi que estava em risco de ficar sozinho. Passado umas centenas de metros depois dessa descida, foi a única vez que olhei para trás. Vi que o meu antigo colega do Vale Grande, Francisco Pedro, estava próximo de mim, mas rapidamente deixei de ouvir a passa dele (acabaria por acabar atrás de mim na classificação mas a 1 minuto de distância). Sempre com o grupo da frente no campo de visão, foquei-me no que se encontrava na minha frente e em nada mais. Nem consegui responder à avalanche de força que recebi de todos os atletas do Belenenses (e não só!!) que ainda seguiam em caminho aos diversos retornos desta prova, quando eu já estava do lado contrário. Muito obrigado!!

Os ritmos seguiram estabilizados e dentro daquilo que pretendia até ao quilómetro 7. A partir dai, a cabeça tomou conta do corpo. Os meus pensamentos foram desde "a classificação está feita para quê estar a puxar" a "o que interessa são os 5.000m e a semana de treinos que ai vem". De médias abaixo de 3:20/km, rapidamente passei para 3:27/km. E quando entrei na Avenida da Torre de Belém, o terror começou. Ainda olhei para o relógio e cheguei a ver 4:00/km (estou a imaginar-vos a ler e a pensar "terror?!?! olha que este filho da pu**, quem me dera ver isso no relógio!!!"). O que me valeu foi que o Isaías nesta altura já seguia em quebra e motivei-me para tentar chegar o mais perto dele possível. Se na subida isso parecia poder ter acontecido, a seguir já foi impossível.

O último (quase) quilómetro até à meta, foi feito com a faca nos dentes, a subir para dentro do Estádio do Restelo. Entrei na pista, e dei aquilo que ainda podia mentalmente. Até olhei para o relógio, vendo 3:05/km, e pensei "ai de ti que no mínimo não estejas a ver isto nos 5.000...). Digo que dei aquilo que podia mentalmente, porque passando a meta, acho que fiquei com a sensação que não estava estoirado de forma alguma. No meio disto tudo, foi um bom indicador. Simplesmente, faltou-me a parte da "competição" na prova.

Acabei por terminar em 6º da geral, distanciando-me do pódio do escalão com um 5º lugar. Infelizmente, não havia pódios coletivos. O tempo esse foram uns (simpáticos) 33m24s. Tenho de estar satisfeito com este resultado. Quem me viu durante a manhã e me perguntou como correu a prova, levou com um "mal" ou "mais ou menos". Mas eu tenho de perceber que não tirei absolutamente carga nenhuma para esta prova. Treinei durante cinco dias seguidos, fiz duas vezes séries com carga normal, e apenas descansei no sábado. 

E amanhã (segunda) será dia de treino outra vez. Não há tempo para lamúrias.

Resultados: 8ª Corrida de Belém 2022

Gostaram do artigo? Apoiem o blog comprando aqui o vosso material desportivo.

Corrida de Belém
maio 16, 2022
2

Comentários

  1. Realmente não foi apenas o pessoal do Belenenses que gritou... Quando te vi sozinho, lá gritei um: "Força, Vitor!", na esperança que conseguisses alcançar os primeiros. Continuação de bons treinos! Abraço, Paulo Sousa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu bem tentei, mas os desgraçados (ainda) correm mais que eu ehehe

      Obrigado pela força! Um forte abraço!

      Eliminar

Enviar um comentário

Search

Popular Posts

Comprei um telemóvel para levar nos treinos

Sim eu sei isto é um artigo com um título no mínimo estranho. Mas acredito que…

Análise Joma R.3000

Não há dúvida que a palavra carbono veio revolucionar o mercado dos ténis . Des…

Parei um treino a meio e estou bem com isso

Nós atletas somos obcecados. Ora seja com tempos, com horários de treino, com a…

Zurich Maratón de Sevilla 2019

Há momentos na vida em que temos de decidir aquilo que nos define. Eu felizment…

A minha experiência com as famosas placas de carbono

Deixem-me começar este texto já com um aviso: tenho conversado com muitos atlet…

Contact Me