Como é que a corrida me ajuda no meu trabalho - Parte 2

Podem ler a primeira parte deste artigo aqui.

Após o bom feedback que tive com o último artigo, a motivação para escrever o segundo é outra. Podemos considerar que o vosso feedback fez o meu corpo libertar dopamina. Desculpem, piada fácil. Mas a verdade é que nem é uma piada, as notificações dos nosso telemóvel, fazem o nosso corpo gerar esta mesma molécula. Mas claro, nesse caso, pelos motivados errados.

Vamos aprender mais?


Lembram-se de eu ter dito no primeiro artigo o seguinte: os cérebros de quem pratica desporto têm tendência a crescer. É algo estranho eu sei. Principalmente quando o que queremos tipicamente com a corrida (e o desporto em geral) é estar em forma e melhorar o nosso aspeto físico. Mas a verdade é que podemos utilizar, mais uma vez, substâncias que o nosso corpo produz graças à corrida para o nosso desenvolvimento cognitivo. Desde já peço desculpa, porque neste artigo vou utilizar alguns termos em inglês. Vamos então falar sobre duas proteínas.

Brain-Derived Neutrophic Factor


BDNF para os amigos. É uma proteína que influencia uma série de factores no nosso cérebro. Basicamente, atua na prevenção da morte das células cerebrais existente, induzindo o crescimento de novos neurónios (neurogenesis) e sinapses, e suportando a função cognitiva. E querem saber a parte interessante disto? Tipicamente, estamos habituados a ler artigos que dizem para as pessoas praticarem desporto, mas até para não exagerarem na intensidade por um motivo ou por outro. Neste caso é diferente! O que ajuda a produzir BDNF, é exatamente o treino de alta intensidade! Vou começar a fazer treino intervalado todos os dias!

Podem ler mais informações sobre esta proteína aqui.

Estrogen-related receptor gamma


Foram efetuados diversos estudos que comprovam que a energia para os músculos e para o cérebro, é controlado por uma única proteína chamada estrogen-related receptor gamma. Existem ainda múltiplos estudos que mostram que a corrida faz com que o nosso corpo gere ERRy (não me enganei, é mesmo este o acrónimo de estrogen-related receptor gamma), e consequentemente melhore a nossa memória espacial. Esta parte da memória é responsável pelo armazenamento de informações relativas à orientação e localização. 

Podem ler mais informações sobre esta proteína aqui.

Eu quando penso nestas duas proteínas, a única coisa que me vem à cabeça é este meme. Digam lá se não tenho razão? 


Não é propriamente por estas razões que corro. Quero me manter saudável, quero ter uma aparência em que me sinta comigo mesmo, e vamos lá ser sinceros, quase mais importante que tudo, eu gosto é de comer, e fazer desporto permite-me poder abusar mais um bocadinho. Mas se a corrida, para além disto, ainda me permite desenvolver as minhas funções cognitivas quase de borla, vou ignorar? Alías, o nosso corpo nem nos vai deixar ignorar estes factos por vai gerar estas substâncias e proteínas sem que nós possamos fazer nada para o impedir. Agora é como em tudo, o nosso corpo ajuda-nos a aumentar estas capacidades, mas nós também temos que as treinar e aproveitar estas pequenas "drogas" que o nosso corpo nos está a oferecer. 

E por falar em drogas, guardei o melhor para o fim. E quem diz fim, diz terceira e última parte desta série de artigos! Espero que ainda estejam com vontade para mais um!

divagações
abril 10, 2022
2

Comentários

Enviar um comentário

Search

Popular Posts

Análise Joma R.3000

Não há dúvida que a palavra carbono veio revolucionar o mercado dos ténis . Des…

A minha experiência com as famosas placas de carbono - Parte 2

A vida é feita de experiências. Estas experiências são o que nos moldam a perso…

Parei um treino a meio e estou bem com isso

Nós atletas somos obcecados. Ora seja com tempos, com horários de treino, com a…

Comprei um telemóvel para levar nos treinos

Sim eu sei isto é um artigo com um título no mínimo estranho. Mas acredito que…

Análise Kiprun Ultralight

O meu início no mundo da corrida a nível de calçado começou como tantas outras …

Contact Me