Análise Puma Deviate NITRO 2



Começo por fazer uma declaração de interesses. Não, não pensem já que isto foi qualquer tipo de borla ou patrocínios. Já agora, quando é que toda a gente percebe que as análises aqui são com produtos comprados do meu bolso? Quando acontecer o contrário, vou ser o primeiro a dizer! Infelizmente não tenho nada disso com nenhuma marca. A minha declaração vai para o facto de eu ir referir demasiados aspetos positivos. A razão? Eu leio demasiados artigos e opiniões, e vejo demasiadas análises antes de comprar o que é quer que seja. E no caso do calçado na corrida, a não ser que não me adapte como aconteceu no caso dos Adidas Adizero Boston 10, é muito difícil eu ficar desiludido com alguma compra. E é por isso que raramente acabo por fazer uma análise realmente má.

Declarações de interesse à parte, a Puma é uma marca que já me suscitava interesse há algum tempo. Já tinha ouvido falar bem e confesso que o facto de um atleta como o Samuel Barata ser patrocinado pela Puma me “influenciou” a olhar para o catálogo da marca. Calhou que estavam com umas promoções valentes, e como estava a precisar urgentemente de uns ténis para corrida continua, fiz a minha investigação e acabei a comprar algo que não me passaria pela cabeça: uns ténis com placa de carbono apenas para treinar. Mas já vamos a essa parte.

A nível de aspeto, estes não foram a minha primeira escolha. Queria algo mais agressivo, e encomendei primeiro a cor laranja, mas mal os calcei percebi que me ficavam a “boiar”. Tive então que fazer devolução e nova compra (já não havia o número que eu queria na cor da minha encomenda original), e acabei a comprar o modelo que podem ver nas fotografias: uma edição limitada comemorativa dos 75 anos da Puma. Não têm um aspeto fantástico, mas são sóbrios e têm um ar vintage que acaba por ser diferente de tudo o que tive até hoje.

Voltando à questão do tamanho, eu calço sempre o 41, mas percebi logo quando os calcei que me estavam demasiado grandes. Depois de finalmente receber os 40.5 pude confirmar que o quão confortáveis estes NITRO 2 são. Quando damos os primeiros passos com eles, percebe-se logo que é daquele tipo de calçado que dá vontade de começar a correr.




Logo nos primeiros treinos com eles deu para perceber o porquê dos elogios à sua versatilidade. Quer seja em ritmo lento, quer seja em ritmos mais vivos, nunca sentimos falta de “nada”. Não há instabilidade, não há falta de resposta, nem falta de amortecimento. Está lá tudo o que se pode pedir a um modelo que tem como objetivo ser o mais versátil possível. Têm sido até a minha escolha em treinos de corrida contínua quando no final tenho retas/acelerações para fazer pois a reatividade que eles transmitem (não pensem também que são um modelo de competição tipo Vaporfly) conseguem mitigar o amortecimento que têm e não sentir a instabilidade típica (quando se puxa pela velocidade) dos modelos orientados à corrida continua. Isto tudo deve-se a duas coisas: à espuma NITROFOAM Elite e à placa de carbono PWRPLATE.

Apesar dos Deviate NITRO 2 serem simples a nível de aspeto, analisando ao pormenor percebe-se logo que estamos a lidar com um calçado com um excelente nível de construção. O meu par já conta com cerca de 300km e até agora não mostra qualquer tipo desgaste fora do normal. A boa qualidade de materiais em nada influencia a respirabilidade, nunca tendo sentido qualquer tipo de sensação de pés quentes de mais ou um frio excessivo comum a esta a altura do ano.




E pegando exatamente pela estação do ano em que nos encontramos, aquele tema que eu gosto de deixar para o final: a aderência. Se há algo que eu não conhecia da PUMA, era a tecnologia PUMAGRIP. Meus amigos, estou rendido. Confesso que não tinha analisado bem esta questão nos artigos e vídeos que vi (talvez exista uma falta de foco nesta questão nos reviewers “profissionais”…) mas já entendi que a aderência é mesmo um ponto forte da PUMA. Logo no primeiro treino que fiz, o chão estava completamente molhado e super escorregadio. E nunca senti qualquer tipo de falta de aderência. Sensação que se manteve até hoje em qualquer tipo de treino que fiz, em qualquer condição atmosférica. Neste momento, entre a Kiprun e a PUMA (como não tenho usado Adidas, não sei se continuam no topo nesta questão), não sei qual das marcas me inspira mais confiança quando o tempo está chuvoso.

Este artigo já vai longo e a resposta à pergunta que vocês não fizeram é esta: sim estou apaixonado por estes Deviate NITRO 2. E percebo totalmente toda a gente que os considerou os ténis de corrida do ano quer seja de um certo segmento ou mesmo em termos absolutos. O único defeito que encontro é mesmo o preço. Eu consegui uma promoção em Outubro que os apanhei a menos de 100€. Desde ai, nunca mais se aproximaram sequer disso. Mas quando os apanhar a um bom preço, vem outro par cá para casa, disso não há dúvida.

Pontos Positivos
++ Aderência

++ Versatibilidade

+ Respirável

+ Responsividade

+ Amortecimento

+ Conforto

+ Durabilidade

Pontos "assim-assim"
- Peso (não são pesados... mas também não são leves)

Pontos Negativos
- Preço

Onde comprar?

análise
janeiro 19, 2024
0

Comentários

Search

Popular Posts

Análise Nike Pegasus 39

Eu tenho uma opinião muito própria sobre o calçado da Nike. Essa opinião foi fo…

Olá Garmin Connect!

Num dos meus últimos artigos, referi que estava a ponderar deixar de usar o Str…

Análise Kiprun KS900 Light

Existem modelos que nos caem no goto. Durante anos a fio, para treinar fui um a…

Análise Kiprun KS900

Esta época faz 10 anos que comecei a levar esta coisa da corrida um pouco mais …

Análise Joma R.3000

Não há dúvida que a palavra carbono veio revolucionar o mercado dos ténis . Des…

Contact Me