sábado, 24 de setembro de 2016

O caminho até agora

Quase dois meses depois de começar a época penso que chegou a altura de falar um pouco do que mudou e do trabalho que tenho estado a fazer com o meu treinador André Penim. Vou resumir por pontos o que mudou para não ser muito chato:

Já não sou o gajo que treina todos os dias. Neste momento estou a treinar 5 dias por semana e assim vai continuar. Sinto-me bem, sinto-me a evoluir e sinto que o meu corpo recupera melhor. Treino muito mais diversificado e com objetivos definidos. Basicamente agora tenho treinos de: 

  • Corrida contínua, que inclui sempre retas/acelerações/mini-séries (o que lhe quiserem chamar) que me estão a fazer muito bem para não me sentir tão preso após o treino. 
  • Fartlek verdadeiro, não aquele que na verdade são treinos intervalados com séries longas. Podem ler aqui um artigo bastante interessante sobre treino intervalado e aqui um exemplo de um treino meu.
  • Tempo Run. Para quem não sabe o que é, basicamente consiste em X minutos a correr a um ritmo médio, Y minutos a correr a um ritmo bastante forte mas controlado, e Z minutos a um ritmo médio. Isto sem nunca parar entre cada fase do treino. Podem ver um exemplo aqui.
  • Treinos de teste. Deste tipo ainda só fiz um, mas consiste em correr X minutos a um ritmo de competição para perceber como o meu corpo está a reagir ao treino. Claro que não temos o fator psicológico de competição, logo não se pode extrapolar que o ritmo que eu faria em prova é o ritmo do treino de teste.  Podem ver um exemplo aqui.
Para completar estes dois meses de treino no próximo domingo irei para fazer mais um treino de teste para perceber o nível em que estou. Veremos como corre!

Uma das coisas que irá mudar a nível desportivo esta época é que vou finalmente ser federado. Dado que estou completamente comprometido com o Vale Grande como atleta e como muita gente sabe, faço mesmo parte da direção da equipa a par com do Rui Martins, penso que faz todo o sentido ser oficialmente atleta do Vale Grande. É vantajoso para mim e para a equipa e por isso penso que seja uma boa decisão.

Já agora, repararam que o aspeto do blog está diferente? Não foi uma mudança radical mas penso que ficou melhor. Senti a necessidade de mudar porque o template antigo tinha várias falhas. Uma das principais era a visualização do blog no telemóvel, em que a navegação era quase impossível. No canto superior esquerdo também acesso às redes sociais onde estou presente. Espero que gostem da mudança.

Para terminar este post de assuntos aleatórios, lembram-se da minha prova na grande aldeia de Argozelo? Fica aqui o vídeo que tinha ficado prometido no post!

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

2ª Corrida da Filarmonia

Por esta altura na época passada já andava a queixar-me das dores do treino, fruto de uma época começada de forma abrupta. Este ano comecei a época de forma mais suave e progressivamente os treinos têm aumentado de cargo mas ao mesmo tempo posso ver que o corpo está a responder como era suposto.

A corrida da Filarmonia o ano passado não me deixou boas memórias, estoirei completamente e tudo o que fiz durante a prova foi em completo sofrimento. Se a culpa do ano passado foi devido à sobrecarga e ao calor, este ano não tinha desculpa. Mas posso já arranjar duas: casamento na sexta e jantar de amigos no sábado. Digamos que a parte abdominal não estava bem tratada :)

Depois do descanso na sexta, sábado tive uma nova experiência: treinar sem limites (mas também sem ser "à maluca") e ter prova no dia a seguir. Fiz um treino de 40 minutos para ~4:00\km. No domingo sentia-me muito bem a nível muscular (solto e com força). Para repetir mais vezes esta experiência.

Na manhã de domingo e depois de reunido com o pessoa do Vale Grande, lá fizemos um bom aquecimento e seguimos para a partida. Depois de algum atraso, a banda filarmónica começou a todar dando assim início à prova. Consegui imprimir um bom ritmo nos primeiros minutos o que me deixou contente, seguindo em 2º com alguma desvantagem para o 1º lugar.

Fonte: Luis Apolinario
Passados os dois primeiros quilómetros feitos a um bom ritmo e com declive negativo, a verdadeira prova começou. Entretanto já segui com mais dois atletas ao meu lado, sendo um deles um atleta de triatlo (promessa nacional) que estava a representar a minha equipa. Perto do 5º quilómetro aconteceu o que tem sido normal nas últimas provas: enganei-me no caminho. Foram cerca de 50/100 metros, mas que fizeram aumentar bastante a diferença que tínhamos para o primeiro classificado. Não posso criticar em demasia a organização, a verdade é que estava lá a seta para virar à esquerda, mas no momento interpretei-a mal e segui em frente. Tal como falei com a organização, apenas peço que para o ano coloquem mais voluntários nos locais mais confusos.

Mas não desmoralizei e continuei sem abrandar o ritmo pois não me interessava a classificação mas sim colocar competição nas pernas. Os outros dois atletas começaram a ficar para trás e eu continuei sozinho, vendo o atleta que seguia em 1º bastante longe. Segui sozinho durante os restantes quilómetros, lembrando-me dos pontos críticos do ano passado. Situação engraçada aos ~8kms: vinha uma grande subida e abrandei um pouco. De repente sai um cão disparado de um terreno e lá meto eu um sprint para fugir dele. Fiz a subida bem mais rápido do que queria :)

Perto do final da prova aproveitei para puxar pelo corpo, gastando um pouco da energia que ainda tinha. Se fosse outra altura da época teria controlado mais o ritmo mas acho que estou na altura de puxar pelo corpo para puder subir de forma.

Fonte: Jaime Mauricio
Tenho de deixar de pedir palmas ao público, depois fico a parecer um padre na foto... :)
Cortei a meta em 2º lugar da geral e 1º do meu escalão, com um tempo de 37m43s para os ~10,6km da prova. Foi positivo, tendo em conta que ainda tirei cerca de 30 segundo à prova do ano passado. Em termos coletivos (prémio entregue depois de eu me ir embora) o Vale Grande ficou em 1º lugar. Mesmo desfalcados, somos grandes!

Fonte: RUN FFWPU
Fonte: RUN FFWPU
Sobre a organização, quero agradecer o gosto que demonstraram em nos receber e atenção de me ter atribuído o dorsal número 2 por ter ficado em 2º lugar o ano passado. Os apontamentos a fazer já os enumerei durante o post e sugeria (mantendo a prova na mesma data) que a prova começasse mais cedo (09h30 por exemplo). O ano passado estiveram bem, este ano estiveram melhor. E viu-se que num domingo repleto de provas, que o nível dos atletas subiu mesmo muito. Para o ano não duvido que estarão melhor.

Eu vou continuar a treinar, focado no plano que eu e o meu treinador temos estado a delinear. Mantenho o que disse há umas semanas: estou-me a divertir a treinar e enquanto isso acontecer não há prova que me interesse. E por isso grandes objetivos só para o final do ano!

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

II Corrida das Peles

O pessoal anda entusiasmado com grandes provas tipo UTMB e portanto também vou falar de uma grande prova: tal como no ano passado juntei-me à festa em Argozelo e participei na 2ª edição da Corrida das Peles! O mês de Agosto foi um regresso aos treinos mais leve do que estou habituado mas com algumas nuances no treino que diferem do que eu estava habituado. Mas disso falaremos em outro post.

O ano passado o percurso foi algo curto e este ano a conselho meu mudou-se um pouco o percurso para se aproximar mais da légua. De qualquer forma, Argozelo é no norte e não há um quilómetro plano, o que fez com que a prova mesmo sendo curta tivesse sido dolorosa.

Depois de me deitar às 4 da manhã, acordei às 7 para ir treinar meia hora. Sim eu treinei antes de uma prova. Esta prova é para o convívio e pela festa, e humildade posta de lado, sabia que se nada acontecesse de errado, deveria ganhar.

Toda a gente reunida na partida (nem vou dizer quantos participantes é que eram...) e com muita animação começou a prova. Isolei-me rapidamente e senti que estava à vontade mesmo com os pulmões quase a saltarem-me da boca, pois ainda não estou num estado físico que me permita acelerar feito doido por ruas com declive positivo.

O meu treinador disse-me para tentar fazer a prova para 3:45\km e a certa altura olho para o relógio e ia a 4:00\km. Tentei acelerar um pouco mas quando dei por mim já estava na segunda parte da prova que tem um quilómetro a subir. Subi de forma controlada com a companhia do meu sogro e cunhada que me perseguiam de carro. No fim da subida demos a volta e comecei a descer de forma a abrir bem a passada. Resultado? Um quilómetro a 3:18\km.

Passei a meta em primeiro lugar e com o objetivo cumprido. Média final de 3:43\km, um pouco enganadora por causa do último quilómetro. No entanto ficaram boas sensações que se viriam a confirmar na última quarta feira num treino de teste de 30 minutos: 3:36\km de média, com bastante vento e com os músculos muito tensos (entretanto já fui sofrer para a marquesa!). Fiquem com o vídeo da prova!


Adivinha-se uma época de novas experiências e espero que com uma forma que nunca atingi até agora. Mas uma coisa é certa, estou a divertir-me apenas a treinar e espero que seja para continuar!

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Análise Asics Gel-Noosa Tri 10

Por esta altura já perceberam que eu tenho uma "panca" por ténis da Asics! Mas também já expliquei algumas vezes que tal se deve ao facto de ser a única marca (que eu tenha conhecimento) que tem modelos com "pouca" pronação. E para variar comprei um modelo que já foi ultrapassado, neste caso pela versão 11. Mas tendo em conta o preço a que se vende o modelo que vou analisar, acredito que tem mais interesse do que novos que se vendem a um preço normal de ténis de corrida, ou por outras palavras, a um preço absurdo.


O que é que mudou face ao modelo anterior? Notam-se principalmente mudanças a nível de design. Assemelham-se mais aos Asis DS-Trainer 20 (análise aqui e parte 2 aqui), tanto na parte superior como na parte inferior (sola). A grande diferença terem um tecido muito mais respirável, perfeito para esta altura do ano em que os pés aquecem demais a treinar. Mas a razão disto está relacionado com o facto dos modelos Noosa serem direcionados para o triatlo. Este tecido permite assim que os pés molhados sequem mais rapidamente. Ainda sobre o design, permitam-me uma opinião pessoal: estes modelos da Asics são brutais. Conseguem-se diferenciar de todos os outros modelos que andam por esses pés dos atletas.


O conforto é diferente dos DS-Trainer. A palmilha é mais fina e dura, sendo que mais uma vez isto é feito em beneficio dos atletas de triatlo devido aos pés molhados. Em termos de pronação a sensação é igual aos DS-Trainer. Um ponto que continua dos modelos anteriores é a borracha da "língua" dos atacadores, permitindo agarrar melhor e calçar os ténis mais rápido. Ainda neste campo, de referir que são ténis leves, ajudando no conforto da passada.


O amortecimento e estabilidade são um ponto forte. A sola é igual aos DS-Trainer 20 e o Gel faz-se sentir a cada passada. Estes ténis são direcionados para um andamento rápido, não tendo um amortecimento exagerado e não sendo talvez os parceiros perfeitos para um treino longo. A sola foi o ponto que me desiludiu mais. É a grande diferença para os DS-Trainer 20, não tendo nenhuma zona que ajude no grande ponto fraco destes modelos: a aderência. Não me vou alongar sobre este assunto. Começo a não entender como é que a Asics não investe seriamente na aderência dos seus modelos. A Adidas continua a ser rainha neste ponto.
Macros, só porque sim.
Para concluir esta análise, devo dizer que continuo a recomendar estes ténis. São diferentes do que se vê por ai, não prejudicando as características em preferência do design. São realmente ténis com pontos fortes para o triatlo, mas adequam-se perfeitamente para quem pratica apenas corrida. A maior questão é o preço. Valem o preço para quem apenas corre? Não. Apenas compensa numa grande promoção ou a preços de outlet como foi o meu caso. Termino confirmando que os ténis tem coral nas suas cores. Sim são ténis de homem.

Pontos Positivos
+ Conforto
+ Estabilidade
+ Amortecimento (ritmo moderado/rápido)
+ Respirabilidade
++ Estética

Pontos Negativos
- Preço
- Aderência




domingo, 31 de julho de 2016

Que venha a nova época!

Duas semanas sem fazer nada! Vocês têm noção há quantos anos eu não estava 15 dias seguidos sem fazer esforços dignos de registo? Já lá vão anos acreditem! Tendo em conta o histórico do Strava, desde 2012 e mesmo assim sei que nessa altura não registava quase nada do que fazia, sendo que nessa altura o que praticava era bicicleta e fazia ginásio.

Baterias carregadas!
Qual a razão de finalmente ganhar juízo e realmente descansar no final da época? Tal como já vos tinha dito, tinha surpresas para esta época. Sinceramente quase se resume a uma surpresa mas esta acarreta umas boas mudanças. E sem mais paleio, a grande mudança desta nova época é que vou ter treinador.

A auto-medicação nem resultou mal durante estes últimos dois anos, mas penso que chegou a altura de deixar que alguém mais entendido do assunto "tome conta" de mim. Quem é ele? Na verdade já vos falei sobre ele, chama-se André Filipe, tem muitos anos de atletismo e dedica-se neste momento ao bodybuilding. Podem conhecê-lo melhor aqui. Não vai ser uma nova experiência nem para ele nem para mim, mas sem dúvida que será uma experiência enriquecedora para os dois.

O que irá mudar? Primeiro o que já mudou. Estas duas semanas de paragem foram ordens dele. Outra coisa será o meu número de treinos. Lembra-se que sou aquele gajo que treina todos os dias certo? A partir de agora terei no mínimo um dia de descanso semanal, sendo que agora em Agosto até serão 3 dias. Os meus ciclos de treinos irão ser por períodos (micro ciclos, macro ciclos, meso ciclos e outras palavras caras) e ele é que irá controlar isso de acordo com os meus objetivos. Têm aqui um post do blog do André sobre o assunto.

Outro aspeto que quero mudar é a alimentação, em concreto o facto de treinar nos dias de semana em jejum. Mesmo que implique acordar mais cedo, quero mudar esse hábito e ingerir sempre algo antes do treino. Por mais que diga que o meu corpo está habituado a treinar em jejum, penso que só me irá trazer benefícios.

Não vou estar com grandes objetivos este ano. Ou melhor vou, mas sem números em concreto: quero bater os meus recordes pessoais em todas as distâncias (que faço atualmente) este ano. Muito ambicioso? Pouco ambicioso? Veremos. Acompanhem-me em mais esta época pois é sempre fantástico ter o vosso apoio!

PS: Dado que basicamente todos os meus companheiros de treino estão a chegar ao final de vida, hoje comprei os meus novos meninos coloridos! Esperem por mais uma review outlet destes Asics Gel-Noosa Tri 10. E sim, são mais uma vez uns ténis aparentemente com cores de gaja.


quinta-feira, 28 de julho de 2016

Apresentação - De Garfield a Bip-Bip

Hoje venho partilhar uma apresentação que fiz num evento anual da empresa onde trabalho, que tem o nome de Opensoft Barcamp. O objetivo deste evento é fazer apresentações de 5 ou 10 minutos sobre o tema que nos apetecer (podendo fugir à vontade da área da empresa). Eu fiz uma pequena apresentação sobre a minha história de gordinho a apaixonado por desporto.

Não é nada de especial, mas fica aqui para quem quiser me conhecer mais um pouco! 



PS: A apresentação não se vê muito bem (quem me mandou usar um fundo branco?), por isso ficam aqui os slides da apresentação.

domingo, 24 de julho de 2016

Uma época agridoce

Adianto-me já. Sei o que alguns de vocês me vão dizer. Tive bons resultados é verdade. Mas às vezes isso não chega! Ora mas analisemos a época. Claramente posso dividir a minha época em três fases: recordes, resultados e regressão. Três R's. Vamos lá a isto:

Recordes: Melhor tempo aos 10km com 33m31s na Corrida do Montepio com uma carga de água em cima que não lembra a ninguém. Melhor tempo aos 15km nos 15 Km de Benavente com 52m10s. E a passado uma semana, recorde à meia maratona, com 01h13m15s na Meia Maratona dos Descobrimentos. Portanto basicamente cumpri todos os objetivos da época neste campo.

Resultados: não vou estar a enumerar os resultados todos. Comecei a época no pódio de São João das Lampas e acabei a época no lugar mais alto do pódio do GP de Almargem do Bispo. Fica aqui uma foto que representa esta parte da época:


De realçar ainda os excelentes resultados por equipas que o Vale Grande obteve. Assim de cabeça, não houve uma única prova que o Vale Grande tenha entrado (com o número de atletas para formar equipa) que não tenha ido ao pódio. Sem dúvida uma excelente época neste campo.

Regressão: já estão fartos de me "ouvir" falar disto não é? Claro que me refiro à minha lesão originada pela minha aventura no Trail de Calhandriz. Uma nota muito importante: foi originada pelo trail mas potenciada pela negativa por causa da minha estupidez. Dói? Então bora treinar! Não consegues andar sem dor? Então bora treinar! Praticamente um mês no estaleiro que quase me estragou todos os objetivos finais da época. Acredito sinceramente (salvo algo durante a prova) que tinha batido o meu recorde aos 15km nas Fogueiras, para além de ainda ter faltado à excelente Corrida ao Farol na Burinhosa. Pelo menos consegui recuperar a tempo de finalmente participar na prova que quase me bate à porta de casa.

O que me reserva a próxima época? Ainda é muito cedo para falar nisso. Mas uma coisa é certa, advinham-se grandes mudanças no meu treino. Mas para já dou-vos a conhecer o blog do Andrémakingeverygain.blogspot.pt. Um blog sobre desporto, treino e eficiência. Acompanhem os artigos dele! E qual vai ser o papel do André na minha próxima época? Disso falaremos depois. Por agora, vou deixar os meus ténis a apanhar pó e ganhar quilos na balança :)

domingo, 17 de julho de 2016

V Grande Prémio de Almargem do Bispo

Passado quase 4 anos de atletismo, hoje foi a primeira vez que marquei presença no Grande Prémio de Almargem do Bispo. O percurso da prova é praticamente o meu circuito de treino quase todos os dias, sem uns quantos desvios que faço para fazer mais quilómetros.

Começo já por fazer a apreciação à prova. Bom ambiente, as provas dos diferentes escalões penso que começaram todas dentro do horário, excelentes coisinhas que deram no final (tshirt técnica, muita fruta (4 peças por atleta), água, barra de cereais, etc) ainda por cima sendo uma prova grátis, e boa organização na medida do possível. Digo na medida do possível porque é inconcebível que uma prova comece às 11:15 com 35 graus. Puxavam todas as outras provas mais cedo e toda a gente agradecia. A tomar atenção para as próximas edições.

Fonte: RUN 4 FFWPU
Antes da prova, juntei-me com algum do pessoal do Vale Grande e depois de alguma palheta fomos mexer as pernas e fazer um bom aquecimento. Fomos andando para a partida e estava eu muito bem a alongar um bocado e a falar com pessoal e dão o sinal de partida. Ninguém estava à espera. Mas pronto tudo bem. Andei umas boas centenas de metros à procura do meu ritmo e a tentar colar-me aos lugares da frente. O circuito desta prova é muito complicado e não nos podemos dar ao luxo de puxar muito nos primeiros quilómetros.

Por volta dos três quilómetros já depois de muito sobe e desce, já seguia com um atleta chamado Euclides da Casa do Benfica de Algueirão, isolados dos restantes atletas. Quando passamos por Camarões tinha lá a minha mãe a dar-me força, que foi muito importante! A partir dali era praticamente sempre a subir e ainda faltavam seis quilómetros. Passado o primeiro abastecimento (eu que não sou de abastecimentos em 10kms, peguei em garrafas nos 2 de hoje) eu e o Euclides trocámos umas palavras e eu disse-lhe que a prova era dele pois estava a seguir no limite.

Fonte: Luís Duarte Clara
Vou adquirir esta foto, muito boas!
Continuámos juntos até cerca do 8º km em que tivemos umas centenas de metros a descer e ele seguia muito bem a descer (atleta alto e com grande passada) e ganhou-me alguma distância. Apanhámos uma pequena subida e de repente vejo-o a parar! Passo ao lado dele e quase que abrando e digo "bora lá Euclides!" e ele começou a correr atrás de mim mas quando entrámos na pior subida da prova ele agarrou numa garrafa de água que umas senhoras estavam a dar e tornou a parar. E nesse momento a prova ficou decidida.

Fonte: Luís Duarte Clara
Continuei a puxar pela subida acima e quando começamos a descer (quase 1 km) até à meta, embora as pessoas me dissessem que ia à vontade e eu não visse ninguém atrás de mim, continuei a dar tudo o que tinha. E cortei a meta em 1º lugar! 31m46s para cerca de 9km. Não foi um tempo fantástico, mas para o calor que estava e o declive que a prova tem, foi um bom resultado. Pena as regras de pontuação do campeonato de Sintra (semelhante ao de Oeiras, Loures, etc), não deixando que o Vale Grande fosse além de um 22º lugar (basicamente quantos mais atletas o clube tiver, mais pontos tem, não há limite de atletas).

Fonte: RUN 4 FFWPU
E lá se acabou mais uma época! Acabou de uma forma espetacular, dois primeiros lugares numa semana, mas sem nunca tirar da cabeça o mês que tive parado à conta do meu famoso trail. Mais tarde farei uma análise da minha época e as novidades que a próxima me reserva! Até lá!

Resultados: V Grande Prémio de Almargem do Bispo