Análise Kiprun KD900



Falta-me palavras para fazer uma introdução a esta análise. A únicas palavras que me vêem à cabeça e me apetece desde já dizer são: como é que a Kiprun fez isto? 

Começo já pela inevitável pergunta que poderá já estar na cabeça de alguém: não, os Kiprun KD900 não têm placa de carbono. É a grande diferença para os Kiprun KD900X que já foram analisados aqui no blog. A semelhança no nome dos modelos não é inocente. Tal como podemos encontrar nos modelos da Nike (Vaporfly NEXT% vs Tempo NEXT%), aqui a Kiprun desenvolveu os KD900 para nos oferecer um modelo sem placa de carbono mas que promove uma excelente performance quer o nosso objetivo seja treinar, quer seja competir.



O design deixa-me de sentimentos mistos. Por um lado, oferece as alternativas que os Kiprun KD900X não tinham. Por outro lado, acabo por não adorar nenhuma. E por mais estranho que pareça, a minha versão preferida é a laranja. Mas Vítor porque é que então compraste a azul? Meus caros, porque a Decathlon não vende as versões amarela e laranja no número 40. Só a azul (que é também a única cor que podem comprar em loja, sendo as restantes exclusivas online). Bem, mas também não vou mentir que a versão azul acabou por me surpreender. Nunca tive uns ténis desta cor e a verdade é que cada vez gosto mais deles. A cabeça funciona de forma esquisita. O resto do design, acaba por ser algo “simples”, e acho que se podiam ter tentado dar um ar mais agressivo a este modelo.

E pronto. Tenho a sensação que acabei os pontos negativos que tenho a dizer sobre os KD900. Mas vamos lá continuar a esmiuça-los. O conforto é algo que acaba por ser, melhorado face aos KD900X. O tecido parece-me algo mais grosso, mantendo-se no nível exigido para esta categoria, mas sem o exagero dos modelos de alta-performance (modelos com placa de carbono claro) que às vezes parece que estamos a correr com um tecido tão fininho que parece que se vai romper. Já treinei com eles com muito calor, humidade, chuva, e a respirabilidade é excelente. Só nós que fazemos treinos intensivos sabemos o que os nossos pés aquecem durante a duração de um intervalado de séries longas por exemplo. Ainda nesta secção, tenho que fazer a ressalva que à semelhança dos KD900X, este modelo calça um número abaixo. Eu tipicamente calço sempre 41 em todos os modelos de corrida, e neste calço o 40 (cheguei a ter o modelo laranja que eram o 41).



Antes de passarmos ao que faz brilhar este modelo, importa referir que o peso deste modelo é ligeiramente mais leve que os irmãos com placa de carbono: 218 gramas vs 225 gramas, no número 42. Ainda não estão convencidos com este modelo? Com um drop de 8mm, onde este modelo brilha é no amortecimento e responsividade da sola. Com uma geometria ligeiramente diferente dos KD900X, os KD900 utilizam novamente a espuma VFOAM em material Pebax® 20%, que dá pelo nome de espuma pebax® Arkema. A geometria da sola juntamente com a espuma utilizada, produzem uma espécie de magia negra que a melhor forma de vos exemplificar as sensações que me traduziram as primeiras vezes que corri com eles, é que a responsvidade da passada é em tudo similar ao que eu sinto quando corro com os Nike ZoomX Vaporfly NEXT% 2. Reforço: estou a comparar uns ténis sem placa com uns com placa. E essa sensação manteve-se durante todos os treinos que tenho feito com eles: intervalados mais curtos, aos longos, passando pelas tempo runs. É quando corremos rápido que obtemos as melhores sensações deles.



Outro aspecto onde a Kiprun parece ter aplicado alguma espécie de magia negra, é na questão da aderência. Quer na gama KS900, quem na KD900, é incrível como estes ténis agarram em curva, seja qual for o estado do piso. Quanto à durabilidade, por agora nada a reportar. Apresentam uma excelente qualidade de construção, e a Kiprun volta a prometer 1000km de amortecimento reativo. Cá estaremos para avaliar isso!

Concluindo, começo com um disclaimer: estes Kiprun KD900 foram adquiridos do meu próprio bolso, tal como os Kiprun KS900 já o tinham sido. Já vos tinha dito que nunca na vida vou fazer uma análise tendenciosa e o facto de eu próprio ter comprado este modelo, deixa-me ainda mais tranquilo para eu fazer os elogios que eu quiser. E meus amigos, estes Kiprun KD900 pelo preço que custam são um no brainer face aos modelos de performance que existem no mercado. Se estão à procura de um modelo para treinos específicos e provas, têm aqui uma séria alternativa a todo o mercado “carbonizado”. Não se vão arrepender.

Pontos Positivos
++ Amortecimento
++ Aderência
++ Responsividade
++ Peso
+ Conforto
+ Respirável
+ Durabilidade
+ Preço

Pontos "assim-assim"
+- Alguns elementos do design poderiam ser melhorados

Pontos Negativos
- Algumas cores só disponíveis online e sem o número 40 (não é propriamente um ponto negativo, mas quando o tamanho não corresponde ao esperado, poderá causar “trabalho” com a troca pelo tamanho correto)

análise
junho 14, 2023
0

Comentários

Search

Popular Posts

Análise Nike Pegasus 39

Eu tenho uma opinião muito própria sobre o calçado da Nike. Essa opinião foi fo…

O melhor (não) equipamento que comprei nos últimos tempos!

Sempre fui da equipa papel de jornal. Esta foi provavelmente a frase mais estra…

Análise Joma R.3000

Não há dúvida que a palavra carbono veio revolucionar o mercado dos ténis . Des…

Análise Kiprun KS900

Esta época faz 10 anos que comecei a levar esta coisa da corrida um pouco mais …

Análise Kiprun KD900X

Acredito que este seja um dos artigos mais esperados desde que tenho este blog,…

Contact Me