Frustração

Existem coisas na vida que nos fogem do controlo. Gostamos de tentar controlar todas as variáveis que são razoáveis de podermos controlar, mas mesmo assim conseguimos muitas vezes ser apanhados na curva. E honestamente foi isso que senti nos últimos dias.

Desde que recuperei da rutura que fiz em Março, tenho vindo a fazer um caminho com bastante moderação e cuidado. Optei por fazer mudanças no meu reforço muscular, não tentei apressadamente recuperar a forma como no início do ano e dei tempo ao tempo para ver os resultados a aparecer. E devo dizer, que a merda literal que me aconteceu nas Fogueiras, foram uns excelentes 3 meses. Nada a reclamar.

Com o apuramento do Campeonato Nacional de Clubes, surgiram dois objetivos para Julho: estar presente na final continuando a apresentar o cuidado que estava a ter para não ter nenhuma surpresa (felizmente a fascite que tive foi algo de dias e que não me fez praticamente parar), e trabalhar para fazer o meu melhor tempo de sempre aos 3000m (mesmo que os meus tempos de referência tenham sido todos feitos nesta época).

E é por isso que não consegui sentir mais nada do que frustração quando a pouco mais de uma semana de um dos meus objetivos da época sou informado que o meu clube decidiu não estar presente na final do Campeonato Nacional de Clubes por constrangimentos monetários. É triste saber que devido à merda de pais que temos que não apoia nada nem ninguém como deveria ser, um clube que se poderia apresentar para ganhar uma final, tem que abortar os planos porque era incomportável a deslocação até Viana do Castelo.

Nada invalida tudo o que fiz nos últimos três/quatro meses, ainda por cima tendo sido pai. É impensável sentir-me de alguma forma chateado com tudo o que consegui. Dois recordes pessoais em pista e campeão regional aos 5km (pela 2ª vez consecutiva). O que pedir mais? Mas mesmo assim não me peçam para não ficar frustrado. Estive durante dois meses a trabalhar com um objetivo em mente, pus outras provas de parte e alterei planos pessoais para isto. Acontece a todos claro e pior era, claro, se me tivesse lesionado novamente. Felizmente sinto-me ótimo e como não me sentia desde 2022. 

Dito isto, como em tudo o que me acontece, já estou focado no futuro. E a curto-prazo o futuro é o descanso normal na altura do Verão! O futuro a médio-prazo? Logo veremos o que me reserva. Boas férias e bom verão para todos!

Gostaram do artigo? Apoiem o blog comprando aqui o vosso material desportivo.

julho 16, 2023
0

Comentários

Search

Popular Posts

Análise Nike Pegasus 39

Eu tenho uma opinião muito própria sobre o calçado da Nike. Essa opinião foi fo…

Olá Garmin Connect!

Num dos meus últimos artigos, referi que estava a ponderar deixar de usar o Str…

Análise Kiprun KS900 Light

Existem modelos que nos caem no goto. Durante anos a fio, para treinar fui um a…

Análise Kiprun KS900

Esta época faz 10 anos que comecei a levar esta coisa da corrida um pouco mais …

Análise Joma R.3000

Não há dúvida que a palavra carbono veio revolucionar o mercado dos ténis . Des…

Contact Me