O melhor e o pior de 2022

É difícil não classificar o meu final de ano (literalmente dois dias antes do final do ano) como o pior do ano. Mas custa-me classificar este momento como o pior do ano depois de um ano que foi um total carrousel de emoções. De novas experiências. E de recordes pessoais. 

Tenho de começar por estes recordes que bati durante este ano. Desculpem a brutal honestidade, mas sinto algumas pessoas pensam que as coisas caíram do céu, ou que pior, se devem a coisas estranhas (para bom entendedor, meia palavra basta). As pessoas esquecem-se que tive "estagnado" tanto a nível de performance como a nível de resultados praticamente desde 2019. Mas esquecem-se principalmente que nunca parei de trabalhar durante estes três anos. Foram muitos quilómetros, muitos intervalados, muitas experiências nos treinos para perceber como podia evoluir, e muita mudança extra-corrida, como a nutrição e até o reforço muscular. Meus amigos, tudo isto conta, e tudo isto resultou num ano incrível.

Sem dúvida que o meu ponto alto a nível sentimental, foi sem dúvida a Corrida das Fogueiras. Desculpem o meu francês, mas foda-se como fui feliz nesta prova. Sim nem pódio fiz, mas o que é que isso interessa? Tive talvez a minha melhor performance de sempre, senti-me na minha melhor forma de sempre, e como descrevi no artigo da prova, sinto que na verdade poderia ter sido ainda melhor! Foi daquelas provas que quando acabei, nem queria acreditar no que tinha feito. Em segundo lugar, tenho que destacar o meu recorde pessoal aos 5km, obtido Campeonato Regional de 5km. Não foi uma prova com um nível competitivo extremamente elevado, mas a verdade é que me transcendi e fiz um ritmo médio com o qual nunca sonhei. E ter sido campeão regional, foi a cereja no topo do bolo.



Como pior momento, não consigo deixar de referir a Corrida das Lezírias. Foi uma prova em que senti que nunca me encontrei durante aqueles 15km. A nível mental foi péssima, e isso acabou por afetar também o nível físico (embora o facto de não tirado carga para a prova tenha tido a sua influência). Retirei algumas lições a nível nutricional dessa prova, e isso foi o mais importante. O segundo lugar tem de ir sem dúvida para o Campeonato Regional de Corta Mato Curto Lisboa 2022. Foi uma prova pós nova interrupção de provas por causa da vaga de Covid-19 no fim de 2021 e início de 2022. Foi um altura em que baixei um pouco os indices competitivos tanto por causa de alguma desilusão porque estava a preparar-me para a São Silvestre da Amadora de 2021 (que foi cancelada na data original) e talvez por um pouco de overtraining. Foi uma daquelas provas em que eu sabia que não iria ter uma boa performance, mas mesmo assim o meu resultado final atingiu-me mentalmente de forma agreste. 

Num resumo, foi excelente ano! Não tenho mesmo nada que me queixar. A corrida é feita de altos e baixos, nem todas as provas são iguais, não temos sempre excelentes performances, nem estamos sempre no pódio. O atletismo é mesmo um desporto especial por causa disto mesmo. Nunca são favas contadas, mesmo se pensarmos só no nosso desempenho individual. 

Como disse nas redes sociais, infelizmente acabei de forma inglória, numa altura que tanto eu como o meu treinador, estávamos confiantes que iria fazer um excelente resultado na Amadora. Voltarei mais forte e com certeza acabarei por tirar benefícios quer fisícos quer mentais desta paragem.

Obrigado a todos por todo o apoio que me dão e por me fazer um atleta feliz cada vez que me dizem que me acompanham. Um bom ano de 2023 para todos e sejam felizes! 

Gostaram do artigo? Apoiem o blog comprando aqui o vosso material desportivo.

divagações
dezembro 31, 2022
2

Comentários

  1. Quando já se tem uns anitos disto é muito dificil que um ano seja sempre lá em cima. Passa a ser um carrossel ... é festejar o que correu bem e aprender com o que correu menos bem. Parabéns pelos excelentes resultados e boa recuperação da lesão de fim de ano. Que em 2023 as lesões andem longe ... o resto tu conquistas. Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, por isso é que já nem perco muito tempo "chateado" com algum toque, uma prova que correu mal, etc. Carrossel é um termo exato para um ano/época no atletismo.

      Espero que tenhas um excelente 2023! Um grande abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

Search

Popular Posts

Análise Joma R.3000

Não há dúvida que a palavra carbono veio revolucionar o mercado dos ténis . Des…

O melhor (não) equipamento que comprei nos últimos tempos!

Sempre fui da equipa papel de jornal. Esta foi provavelmente a frase mais estra…

A minha experiência com as famosas placas de carbono - Parte 2

A vida é feita de experiências. Estas experiências são o que nos moldam a perso…

Análise Kiprun Ultralight

O meu início no mundo da corrida a nível de calçado começou como tantas outras …

Uma aventura com os Adidas Adizero Boston 10

Chamem-me forreta, somítico, mesquinho ou sovina. Se há coisa que eu coisa que …

Contact Me